‘A minha amiga Marta’

Marta Brás Vuto🌼

Marta é o nome da minha amiga, conforme já pode ver no título deste texto e na imagem anterior…

Aquela que sabe o meu nome completo e eu o dela Marta Brás Vuto …

Que me faz lembrar os bonecos de Marta fala e contos de Marta a lagarta…

Que não gosta esses nomes quando a chamo, mais vamos começar o conto… sendo assim…

A conheci no ensino secundário ,uma vez que estudamos juntos e não éramos chegados mais é verdade que participava-mos em muitas brincadeiras… Como, Jogos de papéis…

Quando nos tornamos finalistas do ensino secundário … Desde aí ninguém mais aproximou-se um do outro. E nestes últimos anos nos tornamos grandes amigos…

Ela, é como tudo não tudo que você acha de tudo porque o errado também consta nele, mas, não quero que assim seja.

Ela é tudo que soa em uma tonalidade alta e incomparável, de facto ela é educada, eu até sinto vergonha de dizer que a amo, porque uma pessoa como ela não merece apena as minhas palavras…

Ela merece a minha presença o meu abraço o meu beijo (da bochecha ou testa), claro nem, é a única opção mais podemos fazer novela juntos quem sabe…

Eu iniciei escrevendo uma coisa boba, sei lá esta senhorita me faz pensar em coisas mais além…

Então vou encurtando dizendo… Ela tornou uma das minhas melhores amigas, não fez muito tempo… Ela tornou se especial ,não tornou se ela é especial …

Sabes, eu gosto do jeito que ela me mima, eu não sei onde ela busca toda essas forças, mas me faz pensar que ainda sou bebê…

É o jeito que ela fala comigo, reclama, chora, (apesar de ser por emojis), mas me faz crer que é real , é a minha desculpa para dizer que é o jeito dela que me tornei amigo e ela minha amiga…

Sabes, A Marta é uma corajosa, tirar o seu tempo precioso, ir na faculdade, as vezes nos seus cursos de decoração ,cozinhar, trabalhar como doméstica …entre outras… Ela não se cansa de mim… De manhã ,de tarde , de noite sempre envia mensagem, que até as vezes liga para mim… Só ela sabe como…

Ela já me fez a pergunta mais difícil da vida, e eu como bobo não consegui mentir, pois uma parte de mim … Gosta ser realista para os que são comigo … Ou pelo menos nas minhas amizades…

Depois de você ler estás  perguntando qual pergunta nem?

Sei disto… A resposta está em nossos olhos ,porque é neles que estamos vendo e lendo até chegar a ver a sugestão que é : Alguma vez já ficaste emocionado por minhas mensagens?

Eu queria chorar ,não por resposta ,mais pela pergunta!!!

veja que, a minha amiga Marta é muito atenta e inteligente nem…

Mais no final eu disse que não, bem eu também tinha dúvida porque a pergunta era muito tocante… É como alguém que chega na tua casa e do nada pergunta queres casar comigo? E você percebes que gostas desta pessoa, e entendendo a pergunta como um ato muito duro…

Em que só precisas um Não para acabar com o problema ou outras intenções e Sim para viver feliz respeitando o poder da felicidade.

No entanto, a minha amiga Marta é boa de mais em atitudes e ele controla os seguimentos emocionais ou talvez ela pode sentir… Foi uma das 1000 vezes que fiquei emocionado.

Quando falam de pessoas tanto de todos do planeta ,se for em livros e estórias, sempre falam bem e deixa água na boca, mas eu vou tentar mudar essa parte, bem para equilibrar o conto…

Veja que, eu não gosto quando minha amiga sempre diz que já vai dormir, isto incomoda um pouco, porque é nos momentos em que a conversa fica boa e você talvez estejas já com vício e saber que o final é mais cedo … Fico todo triste por mim mesmo … Mais eu entendo ela e é bom para todo mundo…

Não acabei ainda, o que também me incomoda na minha amiga é o hábito dela de chorar sempre toda hora por emojis ,coisas que nem são graves … Eu não entendo… E quando querer cortar a conversa ela ainda piora…

Fico todo distraído … Se choro com ela, aconselho ou finalizo a conversa ,mais eu tento motivar só que ela piora…

São esses comportamentos que dá a entender que a nossa amizade está num grau muito elevado e eu não sei dizer até onde chegaremos…

Marta, uma pessoa que não consigo lhe entender , mais as vezes lhe entendo …

Marta, uma concelheira pessoal, aquela que está sempre atenta em mim para soltar a sua poção mágica…

Marta, aquela que ora por mim e diz você mudas o meu mundo o tempo todo…

Marta, minha amiga do bem do mal… Do paraíso e do nosso mundo que só construímos , de choros, alegria, tristezas, incómodos e do amor…

Autor António Muabi da Costa ✍️

Conto baseado em fatos reais by Marta Brás Vuto with António Muabi Da Costa ✍️

‘Não sei o que escrever…’

‘Não sei o que escrever’ texto lírico.

•Não sei o que escrever…

– Não tenho ideias,
nem sei onde começar…

•Não sei o que escrever…

-Mas quero escrever,

– Como que universo é conjunto de tudo que existe, se não tem o que escrever…

– Pois o mundo somos “Eu” , “você” e as coisas,
Deveria surgir algo para escrever…

•Não sei o que escrever

– Estou cansado de dizer ,pois parece que ninguém quer perceber como escrever…

-Se fosse possível eu trocaria muitas fortunas, diamantes e joias somente para saber o que escrever…

•Não sei o que escrever,

-Estou pensando em algo, mas nada resulta,
Porque apenas gostaria escrever…

-Pelo menos já pensei em algo, meu nome é Muabilson…

‘opss’… Upss

-Mesmo com isto foi bom pensar , mas não consegui escrever…

•Não consigo escrever…

-Escrever… Escrever…
-Escrever para sempre…
-Para sempre escrever …

-É o que eu quero fazer… -É o que eu quero aprender…

– Pois mesmo não sabendo, – Continuo não sabendo de nada…

– Pois, parece loucura dizendo isto, mais a verdade é que…

– Não sei o que escrever…


Escrito por ‘ António Muabi Da Costa’, texto lírico adaptado

‘Um grande susto, assombração e superação’

Um grande susto, assombração e superação…!

Naquele dia, “Eu” me sentia muito mal…! sabendo que no dia anterior não correu muito bem…

Passei o dia com preocupação, sem vontade de fazer absolutamente nada… apenas relaxar e deixar apenas o dia acabar…

Logo ao anoitecer , a vontade começava surgir em mim… (“depois de estar com o meu melhor amigo em casa”)… Contando estórias, nos divertindo e muito mais…

Mais tardar, o meu amigo foi embora… fiquei sozinho em casa…! Os meus Pais, (“não estavam presente”)… Embora não sendo a primeira vez, mas, me sentia muito Isolado…

Contudo, nenhum “Porquê”! fazia sentido… o “Porquê”! da minha condição… Mesmo sabendo que, estava tornando-se “Um costume” …

A noite, era longa… parecia que não iria acabar…! porque havia, <<“Uma preocupação que não tinha justificação e locução”>>, daquilo que eu enfrentava…

Quando a meia noite chegou, sendo (00hr:00mn) do dia… [“20 de Outubro de 2017”] … deitei-me na cama… depois de alguns minutos comecei… (pegando no sono) e dormi…!

Depois de algumas horas passarem, sendo (01hr:00mn)…  despertei-me e tive uma visão…! <<“Parecia que vinha alguém, entrando no meu quarto e levantando os meu lençóis”…>> logo, acordei…

Foi o momento que percebi, que o medo, reinava em mim…! (“Pois, nunca tinha sentido, tanto medo”), como aquele pequeno susto que tive no momento…

Quando me despertei, achei que era “um simples sonho” e que estava imaginando… (algo que não era real), nem era verdade…

Pois, voltei a “concentrar-me” e dormi denovo.

Passou mais “1 hora”… pois já eram (02hr:00mn)… Foi aí que a assombração começou…! <<“Havia uma Senhora que, vinha até mim… e na cama onde estava dormindo…! senti a presença, estava com muita tremura e o medo começava a reinar em mim”>>.

Consoante a minha visão, aquela “Senhora” colocou a venda nos meu olhos… “Cobriu a minha boca” com muita força…! quase me sufocando…

<<“Não aguentava mais, apenas gritava… mesmo com o sono que tinha”>>, lagrimava e dizia…

– Deixa-me em paz…! por favor… mas, (Ela não deixava)…

Achei que não tinha solução… o que fazer…! “O medo sempre reinava” ,,, <<“a angústia, a dor o socorro não prevalecia ao meu favor”>>…

Mesmo assim, embora sufocando… Ainda tive alguma força, “uma impulsão que me dizia”;

Não pares… creia em “Deus”… Foi aí que notei que, (Era forte e nada poderia me impedir de lutar)… O medo acabava e começava a ganhar forças…!

Assim… “Assim”… Pois … “Pois”… Comecei Orando… “Orando”, fortemente como nunca antes fazia…

-Pedindo a “Deus” que salve-me , ajuda-me… “E o medo acabou” … graças ao meu pedido, consegui tirar a venda dos meus olhos, e vi aquela “Senhora” que me sufocava…!

Esta, tinha um rosto “conhecido” … era alguém que não convivia-mos  juntos ,mas eu a conhecia muito bem… (“Só não sei se era real”) … Porque, logo quando o vi… Os meus olhos abriram … E tudo acabou…

Tudo ficou normal, já não a via… “Não era pesadelo”, nem imaginação… (“Era mesmo assombração”) …

Acordei com muitas  lágrimas… “chorando e orando”, pedindo a “Deus” que isso já mais volte acontecer…

Passei toda “madrugada” a louvar… ( “Ler a bíblia livro de salmos,  nos cânticos e orações”)… Desde ali já não tive sono…

Nem pensava em dormir … Pois, amanheci <<“Passei das ‘2horas’ até ao nascer do sol… e já não tive sono”>> …

Posteriormente, comecei a me sentir bem… Sem nenhum perigo, nem medo a enfrentar …

Deste modo, desde aquele dia, nunca mais sinto medo de nenhuma coisa e nunca tive <<“Nenhum susto, nem assombração… a minha vida continuou normal  e foi uma grande superação.


Conto, baseado em factos reais… Escrito por António Muabi Da Costa…✍️

“A religião e Dois dias de pesadelo”

‘A religião e Dois dias de pesadelo”


No nosso interior, sabemos que “o medo tem assumido as nossas capacidades mentais e emocionais” …

Pois, não era fácil para o jovem “Muabilson” , que passava vários dias feliz e sem preocupação nenhuma…

Era uma dada altura que “O jovem” começava a frequentar uma religião de nome “IURD“( Igreja Universal do Reino de Deus). Foi a sua “Irmã” que o tinha convidado e por sua vez passou a congregar… alguma das vezes.

Deste modo o “Muabilson“, sempre foi muito pontual, nas horas marcadas e datas significativas daquela religião. Tudo porque a sua “Irmã“, pedia nele para que fossem juntos… <<“constituindo assim a sua família sendo os seus Filhos , Esposo e o seu Irmão…”>> Embora que alguns membros rejeitariam participar naquela “Religião”.

Tudo começou em Setembro de 2017 , depois de tantos dias passando… lá se foi continuando as participações naquela mesma “Religião“.

Anteriormente foi mencionado, que o jovem “Muabilson” era como um convidado naquela religião na qual a sua “Irmã” frequentava , (“por motivos dele já ter uma outra religião“). Porém, pelo pedido da sua Irmã era difícil rejeitar:

– “Ele” tinha o costume de se interessar e não ligar os detalhes dos outros.

Estava tudo na paz, normal… era divertido para o “Muabilson” congregar em família, nos dias de consagração e em algumas   actividades relativamente a família… que a “IURD” ( Igreja Universal do reino de Deus), emitiam .

Depois de vários longos dias e aproximadamente um mês “Muabilson” se sentia pressionado a ficar permanente…( na “IURD”), Visto que, lá havia muita presença do “Espírito Santo” e  Com isto, teve novas ideias… <<começou a ser forte nas orações>>.

  Concretamente já em 19 de Outubro de 2017, foi quando algo muito estranho aconteceu… <<“Quando o “Muabilson” chegou para casa ,ao entrar no seu quarto… Sentiu uma presença estranha”>> … Pareceu que um espírito saía do seu quarto… (foi só num momento), mais depois passou …

Este foi o “Primeiro” dia de “Pesadelo” de “Muabilson” pois, depois do sucedido já não conseguiu dormir tranquilo. 

Por todavia , “Ele” achava que viu algo, mas não era algo era mesmo “o nada” porque apenas sentiu a presença e foi arrepiante de modo que… <<“até saiu correndo para fora de casa…”>> E não conseguia ter um bom sono.

Quando amanheceu, parecia que tudo estava bem… pois estava ótimo por um momento porque havia uma celebração na sua religião de nome “ICUES“…( Igreja cristã união Espírito Santo), e “Ele” manteve-se satisfeito .

Depois da celebração, lá se foi o dia… o “Muabilson” voltou para  casa, dormiu o bastante mas, não foi o suficiente…

Ele” sonhava… Uma coisa legal… mas, no sonho  sentia uma presença maligna… (por fora) ;

– Alguém entrando ao seu quarto, primeiro abrindo a porta e depois fechando…

O “Muabilson” tinha uma visão diferente, <<“sempre que estiver dormindo, poderia muito bem dar conta os passos de fora… e ao seu redor…”>>. As vezes parece que não está dormindo, (“enquanto dorme, isto acontece sempre”).

Tratava-se duma “presença maligna”, <<” como estivesse assistindo um “filme de terror”>> … só que era diferente porque enquanto  “dormia, sentia mais a presença” . Até que do nada acabei me despertando… gemendo com muito medo e gritando;

… ‘Ahhhh‘ ‘Ahhhh‘… ‘O my god‘… ‘Uhhhh’ … ‘Uhhhh‘…

Pois foi o “Segundo” dia de Pesadelo” , pela hora já eram, ( 4 horas da manhã). Desde aí, o “Muabilson” já não conseguiu dormir passou horas até a luz do dia… “Orando e cantando” para que aquilo não acontece-se denovo…

No terceiro dia, estava tudo em normalidade , e o “Muabilson” chegou a conclusão que, desde a sua infância nunca tinha enfrentado está situação… <<“de tanto medo, terror e ter de sentir que algo estranho se aproximava… que perdeu o sono”>>.

E no final só dizia,

-“Foi um pesadelo“…
-“Foi um pesadelo“…
-“Mais já estou bem“…


Conto baseado em factos reais, escrito por “António Muabi da Costa“…✍️

Eu, “minha melhor amiga e o seu namorado”

“Eu, minha melhor amiga e o seu namorado”


Era muitos dias, sempre fazendo aquilo que eu sei fazer, “agradar as pessoas , fazer elas se sentir útil e presente” … Como um amigo génio, disposto a conversar ,a entender e a elaborar qualquer assunto …

“Eu”, nunca deixei sempre esperar… (Uma mensagem, notificação ou publicação dela) … explicando a realidade das coisas de forma a não cometer erros ou a ter cuidado, “para quando tiver de lidar com qualquer situação”.

A minha melhor amiga, (uma das minhas melhores amigas deste mundo…), “Eu” amo muito “Ela” , “mais do que qualquer um pode imaginar”… (Vivemos várias coisas inesquecível…) , “Ela” é como parte da minha família… Isto porque, <<“além dela “Eu” recebi a sua mãe como a minha e as suas irmãs como as minhas”>> …quase vivía com a família dela  passava todas manhãs, tardes ,as vezes noite… (na casa da mãe dela e sua família) …

Já vês  o quanto eu digo que é minha melhor amiga? e amo ela nem!… Pois, tinha vários motivos de sempre tratar ela com amor.

A nossa amizade sempre foi óptima! não estragou! apenas ficou (“reduzida e subentendida”) isto porque decidi viver uma nova vida longe da minha terra natal… mas sempre entravamos em contacto.. (comunicação com as redes sociais). E nunca faltou a minha consideração.

Quando mencionei… ( “porque decidi viver uma nova vida longe da minha terra natal”), é porque aí não estava o grande retrocesso… (o grande problema foi por redes sociais ou seja por comunicação incluindo o seu namorado…).

Sei que já estás começar a ter uma ideia!  é isso mesmo…!  A nossa amizade mudou muito <<“desde que “Ela” decidiu em namorar…”>> Até aí, tudo bem .

Nos princípios… antes de tudo, não sabia que “Ela” estava envolvida num relacionamento…! <<“até quando um jovem que era o seu amigo, decidiu me atacar nas redes sociais”>>, ou seja “Facebook” … (Nos comentários dos posts, até por mensagem…) .

No entanto, dias seguintes… conversei com “Ela” pessoalmente perguntando e dizendo:

-Hoje tive um desentendimento com alguém, no seu Post do “Facebook”… Conheces? Será que é seu namorado?

“Ela” respondeu o seguinte:

– “Era um pretendente e mais nada”.

Eu deixei para lá… e continuei fazendo o que eu sempre faço para alegrar minhas amigas.

Num belo dia, “me encontrei com alguém”… Conhecida, (que pediu-me um favor, que “a” acompanhasse para comprar algo”), feito isto,  Ao voltar <<“um jovem me chamou!”>> ,(fiquei interrogado! estava para ignorar, porque eu não o conhecia).

Porém, decidi ir ter com “Ele” para saber o que queria. Desde aí, o jovem apresentou-se e explicou para mim tudo… ( o que “Ele” é e quem era”). Pois, o mais curioso de tudo é que “Ele” afirmou o seguinte:

-“Eu” sou o namorado da sua melhor amiga aquela que, conheces…! E confessou sobre o desentendimento que tivemos no “Facebook”.

  Fiquei chocado… e não acreditei queria acreditar porque, <<“Ela” não me disse nada mesmo perguntando…>>. Aquele  jovem,( que alegou ser o namorado da minha melhor amiga), ficou me dando muitos concelhos sobre o que faço e a minha amizade com a minha melhor amiga, principalmente sobre redes sociais.

Eu ouvi mas, não tirei nenhuma conclusão.  Fui ter com “Ela”( a minha melhor amiga) e perguntei denovo … ;” Me fala a verdade!

-Será que tens namorado? ou não!
“Ela” resolveu dizer que … Não tem “

Abri o jogo nela, dizendo que conversei com alguém e me explicou… dizendo que ele é o seu namorado!

Só aí ela aceitou…! E eu fiquei muito triste …pois, as vezes não é bom mentir,  cedo ou tarde a verdade sempre aparece. “Ela” respondeu o seguinte;

– “Eu” achava que não era um momento certo para contar sobre isso…

Eu notei que “Ela” ainda não confiava em mim… ou talvez se sentia inseguro em contar para mim.  Mesmo assim, não me importei e nem divulguei para ninguém…

Os dias foram passando estivemos sempre bem! Pois, finalmente depois de eu mudar de residência ,partindo para outra cidade. Ficamos apenas nos comunicando por redes sociais (“Facebook”);

– Eu” comentando e tratando com formalidades, poemas e muitos trocadilhos de mensagem só para alegrar “Ela”( a minha melhor amiga) e ficar feliz…

No decorrer de alguns meses, o namorado da minha melhor amiga… (não aguentando mais das nossas trocas de informações…), decidiu me atacar de novo! por mensagem isto na própria conta dela…

Visto que, “Ela” resolveu dividir a sua privacidade da conta do “Facebook” com seu parceiro. Confessando  que;

-Não gosta das formalidades que trato com a minha melhor amiga ou seja (a sua namorada)… Esses carinhos! apontou… 

Eu achei que mesmo estando distante, pelo menos, <<“o namorado dela estaria livre e não acharia que estou atrapalhando a sua vida amorosa”>>…sem esquecer que ela é minha melhor amiga do mundo.

Estava muito irritado com a mensagem “dele”…demorei bastante tempo, para decidir o que faria naquele instante. Depois de decidir e ter certeza, voltei uma resposta simples! dizendo:

  -Esta bem! vou parar! não quero destruir relacionamento de ninguém! … Apenas “Ela” agora  é que vai decidir se me afasta ou não. Pois “Eu” não farei mas nada .

Daí “a minha melhor amiga  tomou a coragem de responder a mensagem dele dizendo o seguinte;

-Peço desculpas! e obrigado, por fazer a escolha certa .

Isto, foi quase um ponto final… mesmo assim, meses passando tive a coragem de tentar ligar “nela” e explicar o que se passava com “Ela” ficava preocupado mas sempre “não conseguia”. O telefone dela estragou até hoje não conversamos … Às vezes me arrependo por não poder ir a casa dela e conversar por mensagem. Eu estava tão distante que não tinha uma solução possível.

   Por motivo algum, o “namorado dela”, não pensou pelo menos… <<“o que eu sentia por minha melhor amiga! como melhor amigo que sou! , de tudo que passamos e vivemos”>> … Apenas impôs lei para “Ela” sobre mim. Fiquei “triste” por um momento, saber que Ela concordou ser justo assim!(mesmo não dando a sua opinião ou seja justificação).

Apenas pensou em parar, para salvar um desentendimento. Pois, “Eu” entendi e parei de enviar mensagem, comentar entre outras coisas… mas, nunca me esqueci “dela” o quanto foi e é importante… “Como melhor amiga” e se um dia ainda precisar da minha ajuda estarei sempre presente para atender, pois a consideração é que nunca me falta pelas pessoas que amo. Fim,,

  *Moral ; quando, você tiver um “namorado”, ou deseja ter… Saiba lidar com as pessoas e não permitir que o seu relacionamento, tenha posse da tua privacidade das redes sociais … Ou que enfrentem aqueles que te amam bastantes e tem se forçado dar seu melhor para ti, saiba entender, explicar e separar as coisas.

Espero, que nunca cometas este erro. Saiba diferenciar,pois não esqueça! O que nos torna especial por alguém não é só “relacionamento amoroso, mas sim, conhecer, conviver e encontrar o Porquê? de sermos tão felizes assim como muitos precisam”.


Escrito por António Muabi Da Costa…✍️

“Um sonho sem fim quase perfeito”


É uma longa jornada , poderia pensar que era o “Destino”… Ou alguma coisa de especial que iria acontecer pela frente num “futuro” por exemplo.

Nem sei se dá para entender como se pode contar um “sonho” que não teve o seu “fim” …tudo porque << nós não éramos ,pois estávamos presente>> e daria tudo para que fosse real…

Tudo começou quando “Eu” conheci uma “jovem” muito linda ,com <<um corpo normal, aparência normal>> e tudo parecia normal …não tinha justificação se era a primeira vez ou não…<<apenas aconteceu e comecei amando “Ela”>>, num só momento, <<desde o momento>> que “Eu” a vi…

Estávamos juntos em algum lugar como um “paraíso” …(não havia casas nem pessoas ao redor…) Tudo somente aconteceu …Não sabia o nome “Dela” nem “Ela” o “Meu” ( pelo menos o que eu achava), apenas estávamos conectados pela “atração” que, tínhamos um pelo outro .

Em conversa, nos tornamos “namorados”, e logo começamos a pensar num “futuro” pela frente, onde “Ela” seria a mais valiosa, correspondência de todo esforço que iria realizar…

Porém ,conversando, (sempre conversando…) nem tinha ideia do mesmo lugar, apenas andávamos para frente, (frente as nossas vistas…), porque parecia que era a nossa única guia. Do nada, “Ela” teve uma brilhante ideia; {pediu-me para que “Eu” possa conhecer “os  seus Pais”}. Dei conta que “algo estava batendo errado”  quando “Ela” resolveu me contar dos seus “Pais e da irmã” dela.

Claro, eu nem fazia ideia como eram… (apenas imaginava! será que seriam “Deuses”… ou algo que talvez seja do nada como “à conheci”)… normalmente é muito difícil, “um relacionamento novo e momentâneo envolver os Pais tão facilmente”… mas pelo visto, estava muito satisfeito <<logo, decidi “aceitar”>>… Pois eu “amava” muito “Ela” e (numa primeira instância) ,não poderia rejeitar. Não tinha explicação o quanto era, mas num curto espaço de tempo, apenas percebi que a “amava”.

Proseguindo ao caminho para a sua casa, havia um caminho mais curto… (“que era de’ atravessar um Rio …com uma Canoa, para chegar do outro lado, onde Ela vivia”) … O caminho mais longo, (levaria “Meio dia”, quase 12 horas para chegar, porque deveríamos dar a volta ao Rio todo)… Pois, já era tarde de mais ,”estava anoitecendo”…

Tomamos a iniciativa, de seguir o caminho mais curto… <<ao subir na “Canoa” nos deparamos com “alguém… (como um guardião do Rio) que, alegava ser o irmão da jovem ( que acabei me relacionando)>>… E afirmou que;

-Se for para atravessar o “Rio”, apenas aceitaria que, uma “pessoa” passasse…

. Estávamos juntos, não queria “deixá-la ir sozinha”, ficando ou esperando um outro momento… pois, nem “Eu” sabia onde estávamos, (apenas “Ela”) e para onde iríamos… << no presente momento, “Ela” tentou convencer aquele “Jovem”…(ou se na verdade seria o seu irmão),  para que nos deixasse partir>>… Mas mesmo assim nada foi resolvido.

Já não tivemos escolha… “Ela” também, não queria me deixar sozinho… “Ela” gostava muito de mim … {chegamos a um acordo, em caminhar, apenas por longas horas} . Lá se foi passando o tempo, “já estava muito escuro” … mas  sempre “caminhavamos” (como caminhantes)… sorridente, com muito amor e carinho por nós mesmos.

Por conseguinte, chegamos a casa dela…
<< Ouvi por terceiros um comentário sobre a existência da irmã dela, afirmando que; (“Ela” era uma conhecida…! ) alguém… passou ao meu lado, (como se fosse um “mensageiro”) dizendo devagarinho, para os meus ouvidos o seguinte;

-“Tu” conheces a irmã dela…! chama-se “Sílvia”>>.

Não dei muita atenção, mas a ideia ainda estava lá no fundo <<soando lentamente…>> como uma incógnita prescindível…

No entanto, tive a  oportunidade de conhecer a irmã dela… Pois, era o que, (os terceiros, quer seja o mensageiro afirmavam…), de nome “Sílvia” (que, era minha irmã da mesma congregação) pareceu-me muito estranho e confuso como se não bastasse, ainda faltava conhecer os  “Pais” dela, ( já imaginava que haveria muita coisa a ser explicada, uma vez que já conhecia a “sua irmã”).

Quando vi os “Pais dela” pela distância, (prontos a conhecer-lhes) ,tive de inventar desculpas para ir embora… pois, <<não acreditava que aqueles senhores fossem  os “Pais” da jovem que “Eu” era muito apaixonado e estávamos namorando>> …

Por outrora, cheguei a uma conclusão que;

-Era sim os “Pais da irmã dela (Sílvia)” …porque {“Eu” conheci aqueles senhores perfeitamente, sabia que a “Sílvia” era a primeira filha… entre os demais filhos que “Eles” tinham e não poderia ser “Ela” (pois não…), tive tanta certeza que nem aceitaria o contrário} .

Portanto, só tinha uma ideia em mente… <<“Ela deve ter me enganado” …ou apenas os “senhores eram pessoas que ela considerava como Pais/família”>>.

Pelo que constatei, havia algo que não estava dando certo para mim ,( que era quase semelhante como: a aparência física… quem poderia ver diria que eram seus “Pais”)…  “Ela” parecia ter mesma aparência também com a “Sílvia” que alegava ser sua irmã , diferenciando apenas pelo corpo… (a “Sílvia” era a menor e mais pequena) e “Ela” (era mais velha em relação  a “Sílvia” Com um corpo normal) .

Estando no local (na casa dela) “Ela” chamou os seus “Pais” a pedido de apresentação para “conhecerem-me” ( conhecer o seu namorado, aquele que seria o seu complemento) . Estive numa situação <<complicada e confuso>>… nem entendia o que estava acontecendo … só tinha uma certeza que, <<“Eu” amava muito aquela “jovem”>> … 

No exacto momento, abordei com “Ela”, para que a apresentação seja realizada num outro dia… (Na verdade eu tive medo de me deparar com os “Pais” dela… não estava preparado, porque, “Nós” nos conhecíamos desde a religião que sempre frequentei) …juntamente com sua a filha  ( “Sílvia”).

“Ela” não sabia dos meus pensamentos… (de “Eu” alegar que conheço os “Pais” dela… e não queria causar qualquer desentendimento…)  pois, só queria ficar com “Ela” sem discussões …{como tudo tem o seu momento certo…}, achava que talvez seja um momento errado. Porém, num outro momento… (depois de avaliar as coisas), poderíamos nos conhecer melhor.

Fui rápido, por agir depressa dizendo que:

– Vou me embora! … Já está muito tarde!

Pensei que “Ela” ficaria triste e insatisfeita ,mas  ficou preocupado comigo… <<porque já faz tempo que, estávamos juntos, nem se teve ideia se “Eu” iria pensar em “ir”… Sei lá para onde>>. “Ela” decidiu assim, acompanhar-me (para pegar um meio de transporte) na estrada.

Embora sendo a minha ideia, não queria ir… (queria ficar um pouco com “Ela”), pouco tempo que nos conhecemos em um  só dia, momento e vida… “me sentia muito gratificante”. “Ela” também, (mesmo  ouvindo-me) não suportava a ideia (de) que “Eu” ía embora.

No percurso, fomos andando ,”caminhando e caminhando”, em direção da estrada. Chegando no local, (“Eu” esperava que um táxi passasse, mas nenhum passou) ,olhava ao redor nem sabia “que mundo era” ,(onde estava) apenas levava em consideração que, ( estava num lugar esperando por um táxi…) para regressar para casa.

Ao esperar, sentamos juntos num banco fixo ao lado da estrada. Conversei com “Ela” e me explicou que;

-” Aqui  nesta zona, só se se apanha um <<“autocarro”>>… em seguida um <<“Trem”>>… e depois poderás seguir o seu próprio rumo…

Depois de uns longos minutos de espera… um autocarro apareceu … {‘mandei parar…’ }mas, <<“não tinha vontade de subir pois “Eu” queria ir com “Ela”>>, não suportava a ideia de a deixar… {alguém que conheci do nada e “estava amando”, apesar de tudo que passamos…!  ficar sem “Ela não seria fácil} . Nem tinha certeza, (se quando eu for, voltaria a encontra-la?… ou não!).

Ora, nos beijamos fortemente… e a sensatez ainda reinava em “Nós”…(como despedida); Daí, pensei na ideia, de ainda mantermos a comunicação nas redes sociais… logo, pensei em perguntar o nome dela do <<“Facebook” para poder conversar ou seja trocar mensagens, assim que estiver distante…>> “Ela”, disse-me que o seu nome (do Facebook) era “Juliana Ndundo” e alegou que, <<já éramos amigos no “Facebook”>>.

Fiquei admirado, surpreso… e (muito mais.. ) muito interrogado com o mesmo <<“Nome”>>, porque,  (“Eu” conhecia apenas uma pessoa  que se pronunciava com o devido nome, embora tendo particularidade, sendo ( de “Ndundo”… Para “Dundo”…), o mesmo nome que, era de <<“Juliana Teresa Dundo”>> mas, isso não implica que seria a mesma pessoa. Pois, “Eu” (a conheci perfeitamente, foi minha “colega” …desde o ensino primário e secundário) e a pessoa que, olhava naquele momento “de jeito nenhum” eram parecidas .

Estava cercado, paulatinamente com “pensamentos”, que nem encontrava justificação… mas, (guardei e decorei em minha memória o “nome” dela para depois pesquisar,  quando estiver distante) e  para conversarmos sempre.

Desde o momento, “Ela” sabia quem “Eu” era. Visto que, “Eu” nem sabia, só fiquei saber “por último” (o “nome” dela) ,talvez seja um nome “falso” ou (um nome semelhante), a alguém que “Eu” conhecia…(pelo menos era a ideia que tinha).

A prova é que, quando  perguntei sobre “seu nome” do <<Facebook>> ,além de me dizer, (“Ela” afirmou que já éramos amigos) no Facebook.

Não liguei muito, (depois de ouvir a resposta…) estava partindo para o “autocarro” …ao levantar … <<“Ela” me segurou fortemente pelo braço , pedindo para que “Eu” não fosse… e nos “beijamos fortemente”>> …como nos contos de Fadas… parecia “um romance perfeito” mas, <<“Nós” os dois, sabíamos que, cedo ou tarde um de nós teria de partir>>.

O “autocarro”, ficou esperando por “dois jovens” românticos… (por um bom tempo) … logo, (cansado pela demora), estava para partir … (“Eu” a deixei) e  despedi prometendo, que nos veríamos noutro dia. Subi no autocarro e fui andando até a estação de “Trem” .

Só observei “Ela” na distância, ficando para trás …(sozinha) e fiquei muito triste …mas, não poderia voltar mais… para trás.

Desde ai, já não tive notícias “dela”… ,apenas fiquei com lembranças… de, <<“quanto nos amávamos … mesmo num curto espaço de tempo…”>>. Chegando na estação de ” Trem” “Eu” pensei avançar… procurar um outro caminho… pois, desde o percurso do autocarro, (não sabia … onde iria… e como erra a paragem, lugar que ía descer…) .

Deparei-me com 3 (três ) jovens… que ficaram me chamando, dizendo o seguinte:

– oh jovem! neste local não se pode ir apenas… deves esperar por um “Trem”.

Eu logo fiquei! mas, (sempre pensava na pessoa que deixei para trás…).Por conveniente,  mais tardar o “Trem” apareceu. Entrei nele… e ai nada mais se foi completado… <<“Onde ía nem sabia… apenas pensava em chegar em casa”…>>.

O “Trem” Partiu… “só andava” Não teve um fim… <<“ora, “Eu” ainda pensava em acordar e me despertar porque, aquela jovem “mudou a minha vida… era para ser perfeito mas, não foi”… >> fiquei sem saber o final desta partida… Esperando apenas um dia encontrá-la e terminar este mesmo sonho…

Conto imaginário baseado na descrição de um sonho…

Escrito por António Muabi Da Costa…✍️

‘Mau dia em tentação’

Mau dia em tentação…

Foi concretamente em “16 de Maio de 2018”, que o jovem de nome “Muabilson” teve um dia muito complicado. Era de se esperar que todo mundo não importa a idade, sexo ou a altura, deveria passar por situações preocupantes ,mas para “Ele” foi um dia fora do normal a respeito da sua apresentação e formas de convivência.

Ao despertar do amanhecer, o dia estava lindo, com novos planos e desafios a se cumprir tal como o “Muabilson” imaginava. Pelas “8 horas” depois de ter preparado o seu Lanche matinal,  “Ele” decidiu visitar os seus amigos e assim partilhar ideias para com o dia . Tratava se dos seus amigos de nome “Bruno” e “Sebastião”.

Quando estiveram todos juntos a partilharem ideias, o Seu amigo “Sebastião ” lembrou se que deveria ir a busca de “Botija de cozinha” que tinha Depositado, afim de obter o “Gás” pois já havia dias, que eles não conseguiam, uma vez que estava difícil em todo município de Cabinda. Daí teve a ideia de convidar  o “Muabilson” e o “Bruno” para que o acompanhasse. O “Muabilson” tinha planos de ir à oficina do seu irmão onde trabalhava na altura. naquele exato momento ele estava se sentindo um pouco estranho e muito pensativo, a única coisa que queria era “encontrar-se com o seu irmão”.

Posto ao caminho a busca da Botija , localizado na rotunda dos “Coqueiros” , encontraram o local fechado, (ainda não tinham aberto) e o dono alegou que o Gás não havia. Logo, o “Sebastião” pensou em voltar para casa e  regressar mais tarde, o “Muabilson” e o Bruno também pensaram em seus afazeres; No desvio da rotunda ao regressarem do depósito o “Muabilson” disse o seguinte:

-“Sebastião” ,tenho de ver meu irmão, não vou poder te acompanhar…

O “Bruno” era um dos mais próximos de “Muabilson”, quase tudo que “Muabilson”  falava, ele sempre estava de acordo e sempre gostavam andar juntos.

O “Sebastião” não satisfeito ficou muito triste e começou a dizer que ;
“Muabilson” e o “Bruno” não prestão, porque decidiram em não lhe acompanharem à casa dele.

Pois o “Muabilson” viu -se obrigado a acompanhar o “Sebastião” ,não havia outra opção para náo deixa-lo triste ,porque afinal de contas reconheceu que são amigos e “Ele” sempre respeitava esta parte . Então todos entraram em um acordo e foram andando a caminho da Casa do “Sebastião”;

Existia muitos caminhos mais, escolhemos passar por caminho mais curto para chegar na casa do “Sebastião”; Era apartir do “Bairro Coqueiros”, passando por um “Beco”, atravessando um sistema de Drenagem e entrar pela área onde residiam , pois foi o caminho que todos seguiram.

Ao caminho, chegando ao “Beco” para atravessar o sistema de Drenagem ,foi aí que tudo começou a se complicar…

O “Sebastião” era um dos amigos que era popular quase todas pessoas do bairro que se perdiam em <<vícios e nas drogas>>, lhe conheciam e foi naquele momento que um dos “3 (três) jovens” que também estavam se dirigindo no “Beco” para atravessar do outro lado “o chamaram” .  “Muabilson” e o “Bruno” estavam a espera do “Sebastião” para continuarem a caminhada.

Ao longo da espera , aqueles “3 jovens” <<pediram Dinheiro no Sebastião no valor de 50 kwanzas>>. O “Sebastião” disse para eles que não tinha valores, bem eles entenderam porque se conheciam. No entanto, eles ao continuarem deram encontro com “Muabilson” e o “Bruno”; <<Ai que surgiu toda tentação, espírito de vingança e luta>>.

Bem {os jovens ao darem encontro o “Muabilson” e o “Bruno”}, os cercaram no “Beco” e pediram os valores de “50 kwanzas” isto porque eles precisavam comprar os seus “vícios”. Bem naquele momento o “Muabilson” e o “Bruno” não estavam preocupados; além de não terem nenhum valores, “Eles” acharam que não aconteceria nada ,porque lá estava os conhecidos do seu amigo “Sebastião”, e havia um dos “adolescente” do grupo ( que era um dos conhecidos de “Muabilson”), além do mais esses eram jovens como o “Muabilson” e o “Bruno”, <<até se for para comparar em idade o “Muabilson” era mais velho de todos>> apesar dessas mesmas apresentações não escolherem idades.

Foi aí que um dos conhecidos de “Muabilson” decidiu se isolar, porque “Ele”; lhe conhecia bem e conhecia o irmão de “Muabilson” porque <<uma vez já tinham lhe ameaçado , naquele momento ele pensou em recuar>>. E outros dois agiram contra “Muabilson” e o “Bruno”.

Eles usaram uma expressão calão de “Angola” dizendo :

” -Meus ndengues, vejam ainda 50 kwanzas”;

O “Muabilson” respondeu por si mesmo, e pelo “Bruno” dizendo que:

-Nós não temos dinheiro…

Eles logo agiram contra  “Muabilson” e “Bruno” palparam os bolsos deles, e começou os empurrões . Notaram que o “Bruno” estava com uma “Pulseira” no Pulso;  o Muabilson quando lhe revistaram algo mexeu pelo “bolso” pois, “Eles” pensaram que era “dinheiro” em moeda, mas  “Muabilson” sabia o que era.

Deste modo não era moeda. Ai eles não excitaram vendo “Muabilson” e o “Bruno” a reivindicarem e a fazer forças , ficaram {dois a dois};  “Muabilson” e o “Bruno” juntamente com “Eles” <<seguraram as suas camisas e por sua vez fizeram o mesmo, também seguraram a deles>>, aquilo era como brincadeira, se esperava quem começava por espancar o outro.

Um dos jovens puxou a pulseira do “Bruno” e rebentou, “Bruno” ficou  ofendendo eles pela causa;  Um deles vinha para dar Socos no “Bruno”…, o “Muabilson” Travou  e o empurrou para trás… (os dois jovens se irritaram) , vinham contra Muabilson para agredir .

Bem, nesse exato momento, “Muabilson” não sei o que pensava… porque “Ele” nunca tinha passado por isso, nem lutava ou sabia lutar, mas não tinha medo.  “Ele” estava defendendo o seu companheiro, <<nem tinha medo de nada, estava também super irritado, uma vez que eram Jovens da mesma altura>>.

Bem foi como um “filme” , o “Muabilson” recuou para trás porque, “Eles” viam para o agredir. Pois, só pensava na possibilidade de lhes tirar no “Beco” Para que possa estar livre… ao recuar um dos Jovens Pegou numa metade de “bloco”  e outro vinha acima de “Muabilson” para dar “Socos” .

  O “Muabilson” se sentiu sozinho, não tinha ninguém ao lado dele… (lá erra mesmo Só “Muabilson” contra dois);  o “Bruno” estava  apenas observando à distância… { ao recuar e ganhar terreno para poder me defender} . Até parando num dos quintais alheios… os donos em vez de acodirem ou evitarem a “briga” ,ficaram “agitando” e a “chotar”… “Muabilson” que foi recuando.

  O ‘Muabilson” não sabia o que fazer… <<era dois contra um… e nos dois um deles estava com uma metade de bloco… outra vinha acima dele…>>,  apenas ficou recuando… pois, é muito difícil quando { alguém que nunca lutou nem ao menos trenar artes para se defender}… como irria fazer…? Ainda por cima, os seus amigos só ficaram observando! … O pior de tudo é que desde o início da confusão o “Sebastião” não fez absolutamente nada “só ficou falando ( ” Evita daí”, “evita de lá”) não sei se tinha medo ou se não queria ter problemas com amigos dele ou conhecidos.

Naquele momento de grande concentração, “Muabilson” pensava {como isso tudo iria acabar?} , se tivesse um dos amigos dele mais chegado tivesse presente (como um deles chamado “Manuel París”…) seria mais fácil começar… pois,  iria se manifestar, ajudar e a defender. “Ele” Apenas estava entre os dois dos seus “amigos” e nem faziam nada só ficavam a observar o que iria acontecer.

Única ideia que  “Muabilson” teve em sua mente, era de; [ um dos amigos deveria pegar um deles… e depois se espancar com aquele que estava mais próximo], mas não dava jeito, “pensar era fácil” , não havia ninguém para agir… todos ficaram a assistir a grande final de mortal combate…

Por sorte, apesar de tudo, todo “conto” sempre tem uma parte boa,  antes de se espancarem… “apareceu um dos conhecidos do Bairro” , mais tardar dois… conhecidos, tudo se resolveu não ouve “ataques nem golpes” e  nenhum dano , os jovens loucos, foram embora porque já não havia como lutar …

Naquela altura foi o melhor momento que “Muabilson” teve para pensar , “corrigir e analisar os riscos que tava enfrentando” por aqueles “amigos” em que todo momento {estiveram juntos mas no momento de grande terror não se notou nada}.  “Muabilson” já não sabia o que pensar (tava cercado com várias ideias e Nervos), embora que ele era o mais velho daqueles dois dos seus “amigos” e tinha directo de os “defender” ou “infrentar” qualquer dificuldade por eles, pois <<“só “Ele” pensava nisto e isso não bastava”>>.

Desde aí, cada um foi no seu canto. “Sebastião” atravessou o “beco” e a Drenagem e foi andando . “Muabilson” disse para  “Bruno” que:
-vamos voltar para trás… no caminho onde viemos , porque jamais passará para aquele “beco” e drenagem, “Ele” nem falou com o “Sebastião” naquele momento.

visto que, ainda estava cercado com raiva. Ao regressar “Muabilson” ficou um pouco nervoso com o “Bruno” porque se não fosse “Ele” a travar aqueles jovens <<senão poderiam lhe bater… mas quando estava a ser quase agredido, ninguém fez nada…>> ou seja o Bruno não conseguiu fazer nada nem se movimentar.

O “Bruno” recentido apenas respondeu que :

– Só estava a esperar o momento certo, ou seja quando derem golpes ao “Muabilson”… Aí, ele irria entrar para ajudar…

O “Muabilson” ficou assustado com a reação do “Bruno” sendo melhores amigos e guardou os seus argumentos no interior de si… foram andando… Até chegarem em casa.

Embora não revelado antes, o “Muabilson” tinha em seu bolso, ( a “chave” da casa dele pois, não era moeda), “Ele” mantinha a “chave” no bolso, andava por todo lugar… porque estava sozinho em casa e também era “chave” pessoal . Um dos motivos foi através da “chave”… por não deixar eles revistarem o seu “bolso” embora ter afirmado que não era o que pensavam que “era” <<dinheiro em moeda>>.

Contudo,  “Muabilson” chegou em casa deixou o “Bruno” e contou o que aconteceu ao “Pai” do “Bruno”… Pois eram vizinhos de casa; Depois voltou em sua causa afim de descançar e mais tarde ir em casa de seu “irmão”, para explicar o que lhe tinha acontecido e pedir concelhos .

Após “Muabilson” chegar a casa, nem um bom descanço resultou isto porque ouve um trabalho urgente ,tratava se de <<fechar um burraco na parede do “Mini bar” que havia em sua casa>> . Foi chamado pelo seu “Pai” para ajudar a tapar… e pelo azar dele o seu “Pai”…  jogou uma metade de “Bloco” por cima do outro lado do muro em que o “Muabilson” se encontrava (para cobrir o outro lado da parede ,sem ao menos avisar) ,logo ‘Muabilson” foi ferrido… e atingido pela cabeça. Foi um momento de muita dor para “Muabilson” saber, do que estava passar ,sem se acalmar ainda “tenha quedas”.

O “Muabilson”, chorando de muita raiva ,lá vinha o seu “Pai” perguntando se está tudo bem! , em vez de pedir desculpas.  “Muabilson” quase explodia de raiva, era muita tentação e um dia terrível que por um momento nada se pareceu importante, só mesmo perturbações mentais…

Para finalizar nada era mais importante… do que o “Muabilson” queria ,que é ficar com seu “irmão”, pois depois da queda… “Muabilson” saiu muito triste com lágrimas de sua casa, a caminho “da casa” do seu “irmão” para finalizar o seu dia e ficar tranquilo sem passar por mais “situações”.

Aí tudo terminou ,o dia se acabou e o “Muabilson” teve uma grande lição de vida, apesar de não ter sido fácil ,mas para ter em consideração que “lembrar” é o suficiente para crescer e vencer.


Conto baseado em factos reais… Autor “António Muabi Da costa” “✍️